Follow by Email

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Encontro com o tratador dos Chimpanzés (Pan troglodytes)

Hoje tivemos o encontro com o Sr. António Bispo, tratador dos Chimpanzés. Foi um encontro muito rico onde pudemos executar uma das funções do tratador do Jardim Zoológico, a elaboração do Enriquecimento Ambiental. O que aprendemos partilhamos convosco aqui no blogue do JZ.
Templo dos primatas

Porque é incorreto chamar macaco ao Chimpanzé?
Macacos são apenas aqueles animais que têm macaco no nome como por exemplo o Macaco-aranha, o Macaco-diana, etc. A maneira correta de mencionar os ditos “macacos” é utilizando a palavra primata pois todos os macacos são primatas, mas nem todos os primatas são macacos, como acontece com os Chimpanzés.

O que é um primata?
Existem duas principais características que distinguem os primatas. Estes possuem cinco dedos nas mãos sendo um dos dedos um polegar oponível. O facto de ser polegar oponível permite que os animais tenham a capacidade de agarrar, entre outras coisas permite segurar a comida e agarrar-se às árvores. Outra característica dos primatas são as impressões digitais, diferentes e em todos os dedos.

Quais podem ser exemplos de primatas existentes no JZ?
Aqui no JZ existe uma vasta representatividade de primatas. Temos desde os Calitricideos - que são o grupo dos pequenos primatas do qual fazem parte os Saguins, os Chimpanzés, os Gorilas, os Orangotangos, os Colobos, os Macacos-aranha, o Gibão, o Siamango, o Macaco-diana, entre muitos outros, como por exemplo os Lémures. Nós, os seres humanos também fazemos parte do grupo dos primatas.

Qual a semelhança entre o Chimpanzé e o Homem?
Pelo menos 98,4% do ADN dos Chimpanzés é igual ao do Homem, daí que seja inegável a existência de semelhanças entre ambos.
A razão física que comprova esta semelhança está na capacidade destes animais de comunicar através de expressões faciais, vocalizações e postura corporal. Podem, aliás, reconhecer-se algumas expressões faciais “humanas”, por exemplo, de medo, stresse, tédio, raiva e alegria, nos animais desta espécie, embora não sejam semelhantes na forma às expressões correspondentes realizadas pelos seres humanos (por exemplo, “cerrar os lábios” significa que está tenso e não descontraído; quando está descontraído fica como que de “beiço caído”; quando está com medo, faz um “sorriso amarelo” que parece de contentamento e quando está em sofrimento parece que está a “rir à gargalhada”.


Qual a alimentação dos Chimpanzés?
Os Chimpanzés são omnívoros, isto é, comem um pouco de tudo. Aqui no JZ damos uma alimentação rica em frutas, como seja maçã, bananas e uvas e alguns vegetais como pimentos, alho francês e alface. A obtenção das proteínas é conseguida através da ingestão de alimentos como o ovo, uma ração granulada, larvas de escaravelhos (tenébrios) e mel.

Enriquecimento Ambiental
O enriquecimento ambiental executado neste encontro foi o Enriquecimento Alimentar e Ocupacional que passo a explicar de seguida:

Enriquecimento com mel
O único recurso alimentar aqui utilizado é o mel e o enriquecimento faz-se barrando-o em troncos de árvores espalhados na instalação.

Meias + Ração
Este enriquecimento passa pela colocação de ração dentro de meias velhas. De seguida dá-se um nó nas meias e utilizando ráfia prendem-se as meias nas estruturas de madeira e árvores existentes na instalação.

Gelados de fruta
Este enriquecimento pressupõe a preparação do gelado à priori. Este gelado é composto por sumo de laranja e frutas. Os gelados são presos por ráfia nas estruturas de madeira e árvores existentes na instalação.

Fruta + Vegetais + Ração
Este enriquecimento é muito simples e passa apenas por espalhar frutas, vegetais e ração na instalação.

Puzzle Feeder: Todos estes enriquecimentos anteriormente referidos em vez de executados da maneira descrita podem ser colocados dentro das caixas de puzzle feeder espalhadas na instalação. Uma vez aí dentro os animais terão muito mais trabalho a retirar a comida aí de dentro.



Muitos dos enriquecimentos aqui apresentados fazem com que o animal demore algum tempo a chegar à comida, daí que este enriquecimento seja também Enriquecimento Ocupacional.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

FÉRIAS SUSTENTÁVEIS

Agosto é, para muitos portugueses, o “mês das férias”. Para mim é apenas mais uma boa altura para ter comportamentos “amigos” do ambiente que nos rodeia. Para ti também pode ser, quer estejas a começar a praticá-los, quer seja para não te esqueceres deles, porque as coisas boas não tiram férias.
Quando planeias as tuas férias (porque fazer um plano é o primeiro passo para um comportamento sustentável) defines quem te acompanhará. Familiares? Amigos?
E os teus animais de estimação? O ideal era que os pudesses levar contigo. Mas se não queres alterar os seus hábitos ou se eles não se dão bem com viagens, podes pedir a alguém da tua confiança que tome conta deles durante uns dias. Espero que não te passe pela cabeça abandoná-los à sua sorte, seja na rua, seja em casa. Mesmo ficando com comida suficiente para a tua ausência, a água deve ser renovada todos os dias.
De seguida é preciso escolher o destino. Se passas mais férias no estrangeiro do que no teu país, esta pode ser uma boa altura para inverteres essa situação. Se já conheces os quatro cantos de Portugal, já sabes que vale a pena continuar a explorar este país tão pequeno mas tão rico. Seja qual for a tua escolha o mais importante durante todo o teu período de férias é que apoies a economia local.
Portanto garante que o alojamento ou o operador turístico que escolheres defende um turismo sustentável, ou seja, que contrata trabalhadores locais e lhes dá as devidas condições de trabalho, que aposta no comércio e serviços locais, que valoriza o património natural e edificado, que pratica ações de salvaguarda da biodiversidade e do ambiente, demonstra as suas boas práticas e sensibiliza os turistas para o fazerem também.
Se já sabes para onde vais, tens de decidir como lá chegar. Evita, sempre que possível, utilizar os transportes que implicam os maiores consumos, como o avião ou a viatura própria. Prefere as viagens de autocarro ou de comboio, podes descansar e aproveitar a paisagem, e quando chegares ao destino podes fazer caminhadas ou utilizar bicicletas.
Quando fizeres a mala leva tudo o que possas precisar, para isso consulta informação específica sobre o teu destino, mas não leves mais do que precisas. Bagagens com excesso de peso implicam sempre um gasto acrescido: ou tens de pagar a mais para as transportar ou gastas a energia das férias a arrastá-las de um lado para o outro. Uma bagagem com algum espaço vazio permite-te ter onde encaixar as lembranças que comprares.
Para as lembranças e outras compras que possas fazer, aproveita o comércio local. Para além de poderes conviver com as comunidades locais e aprenderes os seus costumes e regras, levarás presentes originais e poderás contribuir para a economia local. Não deixes tudo para o último dia, senão acabas por comprar um monte de presentes despersonalizados e mais caros, numa loja qualquer do aeroporto ou do terminal rodoviário. Mas não aceites tudo o que te tentem vender como local. Garante que nada do que compras tem efeitos negativos na vida selvagem ou nos seus habitats, ou seja, evita provar carne de animais em extinção, trazer um animal exótico para casa, comprar um móvel feito de madeira tropical ou cair na tentação das peças de decoração feitas de partes de animais. 

Independentemente do alojamento que escolhas, faz como em tua casa, toma duches rápidos, desliga a água quando não precisas dela, desliga a luz ou a TV se não estás a usar, não compres mais comida do que aquela que consegues comer, não troques as toalhas e os lençóis se não estiverem sujos.
E antes de saíres de casa para estas férias fantásticas garante que deixaste todos os aparelhos desligados (não deixes nada em standby), que fechaste a água e o gás, e que deixaste a tua casa em segurança. Se tiveres possibilidade pede a alguém que vá lá durante as tuas férias só para garantir que está tudo em ordem.

Diverte-te e boas férias!

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Encontro com os tratadores e treinadores dos Répteis

Hoje foi o encontro com os tratadores e treinadores dos répteis. Foi um encontro muito esclarecedor sobre a importância destes animais que a tanta gente causam repulsa. Aqui vos mostramos o que aconteceu no encontro. Esperamos que gostem de conhecer melhor estes animais.

Quantos tipos de répteis existem?
Existem quatro tipos de répteis: As tartarugas, as serpentes, os lagartos e os crocodilos.

Quais as características desta classe?
Os répteis são caracterizados por terem escamas a cobrir o corpo, sangue frio e nascerem de ovos. Como nascem de ovos os répteis podem ser denominados de ovíparos, no entanto, há répteis cujo embrião se desenvolve dentro de um ovo alojado dentro do corpo da progenitora e aí eclode. A estes damos o nome de ovovivíparos.

Porque está tanto calor dentro do reptilário?
Como disse hà pouco os répteis são animais de sangue frio, ou seja, eles necessitam de apanhar calor para ficarem mais ativos. É por isso normal verem os répteis com acesso ao exterior, nos dias mais quentes, a apanhar sol para se aquecerem. No caso dos répteis em instalações interiores, existem luzes de aquecimento que têm o efeito do sol.

Porque mudam de escamas?
Ao contrário da pele humana, as escamas dos répteis não são elásticas. Nós crescemos e a nossa pele cresce connosco. Como as escamas não crescem com os répteis, eles têm que mudar as escamas para crescerem. A muda pode ser completa, como é o caso das serpentes que mudam as escamas todas de uma só vez, ou uma muda por partes onde o animal larga escama a escama. Um exemplo de muda por partes são as tartarugas.

Tartaruga-leopardo-africana
As tartarugas são todas iguais?
Não. Existem três diferentes tipos de tartarugas: a tartaruga aquática, a tartaruga semiaquática e a tartaruga terrestre.
Tartaruga aquática – Tem os dedos ligados por uma membrana interdigital e a carapaça é mais achatada para facilitar a natação.
Tartaruga semiaquática – Tem membrana interdigital até meio dos dedos. E garras para escavar em terra.
Tartaruga terrestre – Tem patas fortes para se deslocar em terra. E também umas garras fortes para conseguirem escavar facilmente.

Qual a maior tartaruga do mundo?
É a Tartaruga-das-galápagos.

Qual a tartaruga mais pequena do mundo?
É a Tartaruga-malhada.

Há serpentes omnívoras?
Não. As serpentes são todas carnívoras.

Porque é que as cobras colocam a língua de fora?
Estas têm língua bífida (bifurcada) que colocam constantemente de fora para, juntamente com o órgão de Jacobson, obterem informações olfativas e gustativas sobre o meio envolvente. Por exemplo, odor de possíveis presas, feromonas de fêmeas em cio e eventuais predadores.

Qual a maior serpente do mundo?
A maior serpente do mundo é a Pitão-reticulada com cerca de 11 m de comprimento e 150 kg. Há quem pense que é a Anaconda mas essa é a serpente mais pesada, atingindo cerca de 250 kg.

Existem cobras venenosas no reptilário?
Não. A existência de animais venenosos dentro do JZ tornava obrigatória a existência de um antídoto para o caso de mordedura numa situação de maneio. Esse antídoto é extremamente caro e de validade muito curta daí que o JZ opte por não ter serpentes venenosas a seu cargo.

Então como caçam estas serpentes?
Apesar de não matarem por veneno estas serpentes têm mais de 100 pequenos dentes na boca que utilizam para imobilizar a sua presa. De seguida enrolam-se em torno do corpo da presa matando-as por asfixia. Para isso têm o corpo cheio de músculos. Embora possuam dentes as serpentes não mastigam as suas presas, elas engolem-nas inteiras, e são digeridas por enzimas digestivas.

Os crocodilos ficam desdentados?
De vez em quando, quando estão a caçar, os crocodilos podem perder dentes porém não ficam desdentados, os dentes voltam a crescer. Se os dentes do crocodilo não crescessem este acabaria por morrer porque não teria como caçar.

Como se chama o crocodilo no início do reptilário?
Este é o Aligator-do-mississipi. É uma espécie animal da família dos crocodilos.

Como se dá comida aos Aligátores?
Eles estão dentro de água e mandamos comida para dentro da sua boca.

Qual o maior lagarto?
O maior lagarto é o Dragão-de-komodo com cerca de 3 metros  de comprimento.

Existem lagartos venenosos?
Existem sim. Exemplos disso são o Monstro-de-gila, o Lagarto-de-contas-mexicano. O Dragão-de-Komodo morde a presa e de seguida persegue-a até esta acabar por morrer. O que acontece é que como os Dragões-de-komodo têm na boca muitas bactérias, eles infetam a presa. Estas bactérias são anticoagulantes, isto é, não permitem que a ferida cicatrize levando a que as presas morram por sangramento. Alguns estudos recentes indicam que talvez nesse caldo de bactérias possa também existir alguma substância tóxica.

Iguana-verde
Porque devemos preservar os répteis?
Os répteis são dos animais que menos pessoas gostam, no entanto, estes são muito importantes para nós Humanos. Para além de serem os principais reguladores de pragas, é através dos venenos de muitos répteis que se produzem importantes medicamentos para o Homem, como medicamentos para o coração, cérebro e sistema nervoso. É de ressalvar que para a extração destas substâncias os animais não sofrem qualquer dano.

Quais as principais ameaças dos répteis?
As principais causas de ameaça dos répteis são a desflorestação e o comércio ilegal.
A desflorestação, tal como o nome indica é o corte das árvores que leva à destruição do habitat dos animais.

O comércio ilegal consiste na prática ilegal de comércio de répteis. Estes animais podem depois ser vendidos como animais domésticos, ou serem mortos para a produção de objetos. Um exemplo disso são sapatos e malas feitas com as escamas de serpentes e cinzeiros feitos com as carapaças de tartaruga. Cada vez mais estes animais são também caçados para alimentação.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Encontro com o tratador dos Lémures-de-cauda-anelada (Lemur catta)

Hoje foi o encontro com o tratador dos Lémures-de-cauda-anelada, o Sr. António Bispo. Foi um encontro muito formativo e divertido onde para além de aprendermos novas informações sobre os Lémures pudemos fazer parte da construção do Enriquecimento Ambiental. Agora, partilhamos convosco aqui no blogue do Zoo as nossas aprendizagens.
Porque se chama Lémure-de-cauda-anelada?
Os nomes comuns dados aos animais baseiam-se, na maior parte das vezes em características dos animais ou em proveniências. O Lemur catta, por exemplo,  recebeu o nome de cauda anelada porque tem na cauda diversas riscas que fazem lembrar anéis.

Onde vivem os Lémures?
Todas as espécies de Lémures vivem em Madagáscar, uma ilha pertencente ao continente Africano que fica situada ao largo da costa de Moçambique.

Porque andam os Lémures com a cauda no ar?
Como referido anteriormente, todas as espécies de Lémures existentes vivem em Madagáscar. Estes Lémures caracterizam-se então pela cauda comprida no ar que não é mais do que uma identificação grupal. Se um Lémure se perder do grupo no meio dos restantes Lémures identifica o seu grupo facilmente através da cauda no ar.

O que comem?
Os Lémures são animais herbívoros. Na Natureza alimentam-se de rebentos, folhas, flores, frutos e herbáceas. No JZ a sua dieta é composta inicialmente por uma ração própria para herbívoros – a esta ração costumo chamar de “sopa”, por ser muito nutritiva e importante para eles mas estes nem sempre a querem comer. Depois de garantir que estes comeram a “sopa”, é-lhes fornecida uma segunda alimentação constituída por gelatina, maçã, passas, banana, ovo, e vegetais – a esta parte da alimentação costumo chamar de “bife com batatas fritas” uma vez que é a parte preferida da sua alimentação.

Porque fazem estes barulhos?
Estes barulhos são vocalizações, uma das formas que os Lémures usam para comunicar uns com os outros.

Enriquecimento Ambiental
O enriquecimento que produzimos hoje denomina-se de Enriquecimento Alimentar. Este, em particular, consiste em revestir um toro de madeira, previamente preparado, com mel e com papa cerelac e nele colar passas e amendoins para que os Lémures tenham que lamber o mel e a papa e arrancar os amendoins e as passas.
A razão por ter trazido estes amendoins para a apresentação é para vos mostrar a diferença entre a comida dos animais e a vossa/nossa comida. Os amendoins que nós comemos, são amendoins torrados e, consequentemente, são altamente tóxicos para os animais. Estes amendoins que lhes damos são amendoins crus. As pessoas não têm estes conhecimentos e por vezes, desrespeitando as placas que dizem para não se dar comida aos animais, dão-lhes comida pondo por vezes a vida dos animais em risco.

O Enriquecimento Sensorial é uma constante. Por estarem perto dos restantes Lémures, os Lémures-de-cauda-anelada são constantemente estimulados à marcação de território. Isto acontece porque os restantes Lémures das instalações vizinhas estão também constantemente a marcar o seu território acabando por se estimular uns aos outros a esse nível.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Encontro com o Tratador dos Koalas

Hoje foi  o encontro com o Sr. Barreto, o tratador dos Koalas. Durante o encontro muita informação e curiosidades foram transmitidos aos presentes. Partilhamos agora o encontro convosco aqui no blogue do Zoo.

O que quer dizer Koala?


Koala significa o que não bebe água. Isto não é inteiramente verdade uma vez que como todos os seres vivos, os Koalas têm de ingerir água. Porém eles não a ingerem no estado natural. A água necessária à sua sobrevivência é retirada das folhas dos eucaliptos de que eles se alimentam. Apesar disto, podem observar uma tigela com água dentro da instalação. Esta serve para que os tratadores monitorizarem o bem estar dos animais. Se os Koalas forem observados a beber água os tratadores sabem que algo está errado com o animal e podem rapidamente intervir.

O que comem?
Os Koalas comem as folhas de uma árvore denominada Eucalipto (Eucalyptus spp.). Existem 600 a 900 espécies de Eucaliptos, número que difere consoante os diferentes autores. Dentro destas espécies apenas 25 a 30 espécies são aproveitadas pelos Koalas para a alimentação. Essas espécies de Eucalipto variam ainda consoante a maturidade da árvore. As folhas tornam-se menos tenras com o passar dos anos e muitas vezes os Koalas só apreciam a folhagem de determinadas árvores quando esta se encontra mais tenra, não comendo quando elas ficam mais velhas.

Os machos e as fêmeas estão juntos?
Não, por duas razões. Em primeiro lugar o macho é muito territorial. Junta-se com as fêmeas apenas para acasalar daí que as fêmeas estejam sempre num grupo e os dois machos vivam em separado. O segundo motivo mas não menos importante deve-se ao facto de a reprodução de Koalas estar muito bem organizada. Existe uma pessoa dentro da comunidade dos Zoos, a nível mundial que estipula que macho vai acasalar com que fêmea de modo a evitar problemas de consanguinidade. Esta pessoa toma as suas decisões com base em registos que tem de todos os Koalas existentes em Zoos. Por exemplo, há pouco tempo chegou ao Zoo um macho vindo do Zoo Francês de Beauval para acasalar exclusivamente com uma das fêmeas.

Como se processa a reprodução e o desenvolvimento da cria?
Após a fêmea engravidar, a cria passa 30 a 35 dias no útero materno a desenvolver-se. Quando está pronta para dar à luz, a fêmea recosta-se num tronco de modo a ficar mais confortável e a cria nasce. Como fica tão pouco tempo no ventre, não é muito desenvolvida, nasce do tamanho de um feijão, com grande fragilidade a nível de braços e pernas e arrasta-se para a bolsa marsupial da sua mãe.  Aí vai permanecer a alimentar-se de leite materno até aos cinco meses, altura em que começa à procura de uma alimentação diferente. Como a cria é tão pequena, no inicio fica difícil para o tratador perceber se a fêmea realmente teve a cria ou não. Só com cerca de dois meses se começa a perceber um vulto na bolsa da mãe. Quando atinge os quatro meses a cria já é visível uma vez que começa a aparecer mesmo sem sair da bolsa.

Porque está a bolsa da progenitora virada para baixo?
Aos cinco meses a cria começa a procurar outra alimentação para complementar o leite materno. Essa alimentação, tal como para os Koalas adultos são as folhas de Eucalipto. Uma vez que as folhas de Eucalipto são de difícil digestão, os Koalas mais velhos possuem umas bactérias no estômago que os ajuda a esse processo. Porém, as crias de Koalas não nascem com essas bactérias e têm que as adquirir. Este é então o motivo da abertura da bolsa estar virada para baixo. Num dado momento da vida da cria, a progenitora ingere o eucalipto e tem a capacidade de fazer a separação das componentes do eucalipto expulsando pela cloaca a parte boa para que a cria a coma e assim adquira as tais bactérias. Como a bolsa é virada para baixo a cria consegue facilmente alcançar a cloaca sem no entanto ter que deixar a bolsa materna.

O que é a cloaca?
A cloaca é o orifício único onde se abrem o canal intestinal, o aparelho urinário e o aparelho genital.

Como ocorrem os procedimentos veterinários?

Como em todos os animais no JZ funcionamos com base numa medicina preventiva que pressupõem que em curtos períodos de tempo os animais sejam examinados, nomeadamente que sejam pesados. Para pesar os Koalas temos uma balança de bebé com um tronco no qual eles se agarram e aí permanecem quietos enquanto são pesados.

Quanto tempo vivem os Koalas?
Podem viver cerca de 15 anos na natureza porém como nos JZ têm muitos cuidados e há a ausência de predadores a longevidade dos Koalas é maior havendo registos de um Koala que ao cuidado humano viveu até aos 20 anos. Durante o tempo de vida, o Koala macho consegue reproduzir-se sempre enquanto que a fêmea deixa de se reproduzir por volta dos 12 anos.

Como se distingue o Koala macho e a Koala fêmea?
A principal diferença entre o Koala macho e fêmea está nos órgãos genitais. Porém, como passam a maior parte do tempo sentados nos ramos, a observação dos órgãos genitais torna-se mais complicada por isso a forma que nós usamos para distinguir o sexo dos Koalas é através da observação de uma mancha amarela no peito do macho. Essa mancha é o resultado de aí existir uma glândula que segrega um forte odor. Os Koalas esfregam essa glândula nos troncos das árvores como forma de marcação de território.

Como se distingue a idade nos Koalas?
Os Koalas mais novos têm o nariz mais escuro. Com o envelhecimento o nariz dos Koalas vai ficando mais claro.


Curiosidade: Convencionou-se mundialmente que em Jardins Zoológicos os nomes dados aos Koalas tinham de ser aborígenes. A título de exemplo, aqui no JZ temos uma Koala denominada Orana que significa Luz .