Follow by Email

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

A resposta do Sabichão!

A vida animal no Montado – um ecossistema tipicamente português


Lembras-te o que é o Montado? É isso mesmo, é um ecossistema de floresta, sobretudo floresta de sobreiro (montado de sobro) e floresta de azinheira (montado de azinho). Mas, como seria de esperar, não só de cortiça e agricultura vive o montado. Este tipo de ecossistema apresenta uma enorme diversidade biológica, sendo por isso considerado um local de grande importância ecológica.
Peneireiro-cinzento
 Como a estrutura do montado varia muito, com zonas de grande densidade de arvoredo que se intercalam com áreas mais abertas de vegetação rasteira, como pastagens, culturas ou mato, ele permite a ocorrência de uma grande variedade de fauna. Podemos encontrar aves, como o Peneireiro-cinzento, o Rouxinol, a Coruja-do-mato, o Pica-pau-malhado ou a Águia-cobreira.De entre os répteis, é bastante comum o Sardão, a Lagartixa-do-mato ou a Cobra-rateira.
Sardão
 Dependendo das condições do solo e de humidade, assim como da formação de charcos temporários, também se podem encontrar anfíbios, como o Sapo-corredor, o Sapo-de-unha-negra, o Sapo-parteiro ou a Rela. Quanto aos mamíferos, são comuns a Lebre, o Coelho, a Doninha, a Gineta, o Javali ou o Veado. Ainda falando em mamíferos, cada vez menos comum é avistar o Lince-ibérico, em tempos frequente neste tipo de ecossistema, o Lince-ibérico é atualmente a espécie de felino mais ameaçada do mundo.

Lince-ibérico
Este ecossistema está cheio de biodiversidade e o melhor é que podes observar tudo isso e ainda mais, aqui em Portugal, pois como Fado este é tipicamente Português. 

Modos de locomoção: ungulígrados

zebra-de-grevy
Os mamíferos apresentam muitas adaptações ao modo como se deslocam. A maioria possui quatro membros que são usados de diferentes modos, consoante o animal em causa.

Hoje trazemos-te os ungulados ou ungulígrados, ou seja, o grupo dos mamíferos com cascos. Estes animais possuem patas longas e esguias e apoiam apenas a última falange no chão que se encontra protegida do contacto com o solo através do casco. Esta adaptação permite aos ungulígrados rápidas corridas de forma a escapar aos predadores.

E quantos dedos podem ter os ungulados? Pois bem, vamos ajudar-te a responder a esta questão. Existem ungulados em dois grupos de animais: os perissodáctilos e os cetartiodáctilos. São duas palavras complicadas mas não te assustes, pois vamos ajudar-te a perceber a que se referem.

A ordem dos perissodáctilos corresponde aos animais com cascos que possuem um número ímpar de dedos, consegues lembrar-te de algum? Aposto que acertaste, mas aqui ficam alguns exemplos: o cavalo, a zebra e o burro, que têm apenas um dedo e o rinoceronte que tem três.

Girafa-de-angola
A ordem cetartiodáctila inclui os cetáceos, animais como o golfinho e a baleia, mas também os animais com cascos que possuem um número par de dedos. E agora é mais fácil para ti adivinhar que animais ungulados estão neste grupo? Pois bem, com dois dedos temos os bovídeos e as girafas e com quatro dedos temos o hipopótamo. 


Agora deixamos-te um desafio: quando visitares o Jardim Zoológico procura os animais que têm cascos e tenta identificar a que grupo pertencem. Temos muitos ungulígrados à tua espera!


Onde habitam os Seres vivos?

Ao conjunto dos seres vivos, ambiente natural que os rodeia – água, ar, solo – e das suas relações, dá-se o nome de biosfera. Em cada ambiente natural os seres vivos têm o seu lugar próprio, onde se abrigam, alimentam e reproduzem, esse ambiente chama-se habitat.
Oceano
Os seres vivos podem-se encontrar em habitats aquáticos ou habitats terrestres.
Vamos começar por falar sobre os habitats aquáticos que são constituídos pelos rios, mares, lagos e oceanos. Os lagos são locais de água doce que existem no interior dos continentes, também de água doce, existem os rios, apesar de nascerem no interior dos continentes, desaguam no oceano ou no mar. Os oceanos também são ambientes aquáticos, mas de água salgada. São eles que cobrem a maior parte da superfície terrestre. Também com água salgada existem os mares que são uma extensão dos oceanos ou que estão situados no interior de um continente.
Tal como os habitats aquáticos, também existem vários habitats terrestres, são eles o deserto, a floresta, a montanha, a planície ou a savana. Em todos eles podes encontrar seres vivos muito diferentes, pois todos eles são habitats muito diferentes. Por exemplo no deserto vamos encontrar muito poucas plantas, muita areia e temperaturas muito quentes durante o dia e muito frias durante a noite.

Floresta tropical

Já na floresta tropical a temperatura é quase sempre a mesma, encontramos muitas plantas e uma grande diversidade de seres vivos.

Savana
Nas savanas existem poucas árvores, mas muito grandes e durante uma época do ano faz muito calor, estação seca e na outra chove muito, estação das chuvas.

Queres saber mais sobre cada ambiente? Queres saber que animais vivem em todos estes ambientes? Não percas as próximas publicações!

ABC da Natureza

Biosfera: É o termo que designa o conjunto formado pelos seres vivos da Terra e seus habitats, ou seja, conjunto de todos os ecossistemas. Este termo foi introduzido, em 1875, pelo geólogo austríaco Eduard Suess. A estrutura física da terra é formada por três partes: litosfera (o conjunto dos sólidos da Terra), atmosfera (o conjunto de gases da Terra) e hidrosfera (o conjunto da água da Terra). O conjunto destes componentes com os seres vivos forma a Biosfera. A Biosfera compreende desde o topo das mais altas montanhas até as profundezas dos oceanos, ela é delimitada de acordo com a presença de seres vivos.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

À descoberta dos mamíferos marinhos

Ainda te lembras do que são mamíferos? Vamos fazer uma revisão: “mamífero” é a classe a que pertencem os animais que têm pelo, nascem da barriga da mãe e bebem leite da mãe quando são pequeninos.
Hoje trazemos-te um mamífero marinho, ou seja, um mamífero que vive na água e retira dela o seu alimento.
Foca-monge-do-mediterrâneo
Já ouviste falar da Foca-monge-do-mediterrâneo? Esta também é conhecida por Lobo-marinho. É um animal que pode atingir 400Kg e 4 metros de comprimento (4 passos à gigante) no caso dos machos e  2,30 metros no caso das fêmeas.
Pensa-se que só existem 450 focas-monge-do-mediterrâneo, sendo talvez o membro da família das focas mais ameaçado de extinção. Estão quase a desaparecer para sempre porque o homem pesca os peixes que são o alimento preferido delas e por vezes também ficam presas nas redes dos pescadores, não conseguindo vir respirar à superfície. Em Portugal, as focas-monge-do-mediterrâneo que sobreviveram às atividades do Homem vivem nas ilhas Desertas, no arquipélago da Madeira, onde ainda existem 23 animais.
Sabes o que podes fazer para ajudar os mamíferos marinhos, como focas, golfinhos e leões-marinhos? Não deites lixo para o mar, porque eles podem confundir o lixo com alimento e acabam por comer, por exemplo garrafas de plástico o que lhes faz mal e pode mesmo levar à morte. O plástico tem que ir sempre para o contentor de que cor? Isso mesmo! Para o amarelo.
Gostavas de ver a prima da foca-monge, a foca-comum? Então vem visitá-las ao Jardim Zoológico, aposto que vais gostar!

Montado – um ecossistema tipicamente português

O montado é um ecossistema muito particular, constituído essencialmente por florestas de sobreiro (montado de sobro). Este ecossistema localiza-se no Mediterrâneo, Argélia, Marrocos e sobretudo nas regiões a sul da Península Ibérica. Em Portugal, o montado representa cerca de 21% da nossa área florestal, apresentando grandes extensões de azinheiras e de sobreiros, os chamados montados de azinho e sobro, e pequenas áreas de carvalho negral. De toda a flora do montado, o sobreiro é a espécie mais abundante, estando distribuído por todo o país, com excepção das zonas mais frias e de maior altitude no Norte de Portugal. Considerado património nacional, o montado de sobro é protegido por lei (Decreto-lei nº 169/2001), sendo proibido o seu abate. Contudo, a sua plantação é incentivada, uma vez que a exploração da cortiça (proveniente do sobreiro), essencialmente para o fabrico de rolhas, transformou-se numa indústria de enorme importância económica.
Actualmente, Portugal é o principal exportador mundial de cortiça, sendo responsável pela produção de mais de 50% da cortiça consumida em todo o mundo. A cada nove anos, são efectuados os descortiçamentos (tirada da cortiça), que são exercidos de forma manual e cuidadosa, para não causar danos no sobreiro ou no meio envolvente.
Por outro lado, estes ecossistemas são propícios para a agricultura, que é praticada de forma sustentável nalgumas áreas de montado. Como pudeste verificar, o montado tem uma grande importância a nível ecológico e económico, sendo um exemplo de sustentabilidade ambiental.
Agora, sempre que puderes opta por produtos de cortiça, como é o caso das rolhas de cortiça, pois estarás a contribuir para a continuação destes ecossistemas no nosso planeta e para a conservação de todas as espécies de fauna e flora nele existentes!

ABC da Natureza

Hotspot: Para uma região ser considerada um Hotspot , devem existir nesse local, no mínimo, 1500 plantas vasculares (mais que 0,5% do que o total Mundial) endémicas e deve ter sido perdido mais de 70% do seu habitat original. Existem no Mundo, neste momento, 34 regiões consideradas Hotspots. Exemplos de regiões com este estatuto são, por exemplo, a Bacia Mediterrânea, a Mata Atlântica, Madagáscar e os Himalaias.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A resposta do Sabichão!

Descoberta nova espécie de Lémure-rato em Madagáscar!

Lémure-rato-de-gerp
Uma equipa de investigação composta por investigadores alemães e malgaxes descobriu uma nova espécie de primata na floresta de Sahafina, zona Este de Madagáscar. Esta floresta, que nunca tinha sido estudada antes, é o habitat natural desta nova espécie, o Lémure-rato-de-gerp (Microcebus gerpi), nome escolhido em honra do grupo de investigação malgaxe GERP, Groupe d'Étude et de Recherche sur les Primates de Madagascar (Grupo de estudo e Investigação dos primatas de Madagáscar).
Alguns investigadores do GERP visitaram a floresta Sahafina em 2008 e 2009 para criar um inventário das espécies de lémures naquele local. Nesses anos foram capturados vários Lémures-rato para serem medidos, fotografados e para serem retiradas pequenas biópsias, sendo de seguida libertados. A Professora Ute Radespiel, Instituto de Zoologia da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover, analisou as amostras e os dados morfológicos e confirmou que os animais da floresta de Sahafina, pertencem a uma pequena espécie de Lémure-rato noturno que ainda não tinha sido descrita.”Estamos muito surpreendidos pela descoberta.
Lémure-rato-de-goodman
A floresta de Sahafina fica apenas a 50km de distância do Parque Nacional de Mantadia na zona Este de Madagáscar, que contem espécies mais pequenas e diferentes como o Lémure-rato-de-goodman” comentou a Professora Radespiel. Em contraste, o Lémure-rato-de-gerp, pertence a um grupo maior de lémures-rato, isto é, a sua massa corporal é de cerca de 68 g o que faz dele quase “um gigante” quando comparado com o Lémure-rato-de-goodman (44g de massa corpora
A distribuição desta nova espécie é provavelmente restrita aos fragmentos das terras baixas da floresta tropical húmida da região Este de Madagáscar. Se a desflorestação continuar será uma grande ameaça para estes animais.

Os investigadores de Hannover/Alemanha e Madagáscar publicaram a sua descoberta, juntos, no jornal Primates.






Um animal doméstico muito especial…

Esta semana trazemos-te um animal que de certeza já ouviste falar!
Vamos dar-te duas pistas: tem orelhas grandes e é conhecido por ser amigo do Shrek… pois é hoje o nosso protagonista é o Burro!
Este nosso companheiro é um animal muito especial, sabias que em tempos ele foi muito importante no nosso país como animal doméstico? O burro era um animal de trabalho, ele ajudava as pessoas nas mais variadas tarefas, ajudava a transportar as coisas mais pesadas que nem os homens mais fortes conseguiam e era uma óptima companhia para o seu dono, pois é um animal muito dócil e fiel a quem o trata bem. Ao contrário do que nos diz o seu nome, o burro é um animal muito mais inteligente do que se pensa, é curioso, meigo e sabias que gosta especialmente de criaas?
Assim como nos cães existem muitas raças, desde o Dálmata ao Caniche, nos burros acontece o mesmo. Em Portugal, existe uma raça muito especial, a Raça Asinina de Miranda, estes nossos amigos de pêlo castanho são originários do nosso país, ao que se pode chamar a única raça autóctone de burro português.
Infelizmente, este burro de Miranda corre o risco de desaparecer para sempre, ou seja, está em risco de extinção. O burro que era muito usado na agricultura começou a ser substituído por máquinas mais modernas que fazem o trabalho mais rápido. Também muitas pessoas abandonaram os campos agrícolas, sitio onde se plantam batatas, trigo, milho e muitos dos alimentos que precisas de comer no teu dia-a-dia, perdendo-se assim também o interesse pelos burros. Quando vieres ao Jardim Zoológico, faz uma visita exploratória à Quintinha Pedagógica com os tratadores e interage com os animais domésticos que ali vivem!